06 outubro, 2017

Bu Bu Jing Xin ~ porque o primeiro c-drama a gente nunca esquece

Olá pessoal!!! Tudo bem com vocês?? Quanto tempoooooo!!!! Já se passou quase um ano desde minha última resenha do k-drama Two Weeks em novembro do ano passado.

Sou a My. Para quem é novo no blog, é melhor me apresentar brevemente. Tenho 26 anos (27 em uma semana), sou jornalista formada, de fé cristã, falo inglês e já estudei um pouco de japonês, vejo doramas desde dezembro de 2010. A maioria dos textos que escrevi aqui no Blog das Dorameiras foi resenha, mas posso também fazer breves análises.

É isso que me proponho a fazer hoje. Não digo que será breve, mas será uma análise. Farei o melhor para evitar spoilers, mas se eles ocorrerem, eu sinalizarei, para não comprometer a possível vontade do leitor der ver o drama.

Hoje falarei de Bu Bu Jing Xin, também conhecido como Scarlet Heart e Startling by Each Step. Esse drama tem 35 episódios e foi exibido em 2011.
A moça jovial ao cento é Maertai Ruo Xi, nossa protagonista.
À esquerda, de baixo para cima, temos o 4°, 13° e 14° Príncipes.
À direita, de baixo para cima, temos o 8°, o 9° e o 10° Príncipes
Foi o primeiro drama chinês que me arrisquei a ver, depois de ter me aventurado em dois filmes: Never Said Goodbye e Sword Master. O primeiro vi por ter meu ator favorito, Lee Jun Ki, como protagonista. O segundo vi sem um motivo específico, apenas gostei do pôster e quis ver um filme 100% chinês, já que no outro também é falado coreano. Foi em Sword Master que conheci o ator chinês Lin Geng Xin e ele me levou até Bu Bu Jing Xin, pois faz o papel do 14° Príncipe nesse drama.

Como boa fã do Lee Jun Ki, como disse acima, é claro que eu assisti ao drama que virou febre ano passado: Scarlet Heart Ryeo. Aliás, não farei resenha desse drama, porque falar dele me deixa cansada e meio depressiva (não porque não goste, eu amo~ mas ele é tão pesado, denso mesmo, com uma carga emocional muito intensa). Enfim, prosseguindo... desde então, quis ver a versão original chinesa, mas os 35 episódios me assustavam, o máximo que tinha visto foi Hotel King, um k-drama de 32 episódios.

O tempo foi passando, me envolvi com outros atores, outros dramas, outras histórias. Acabei encarando um k-drama de 50 episódios pela primeira vez - excelente por sinal, You're the Best Lee Soon Shin. Em algum momento, percebi que 35 não é um número tão grande, afinal, e depois que tive meu primeiro contato com o trabalho de Lin Geng Xin, decidi que veria meu primeiro c-drama.

Comecei a assistir ao Bu Bu Jing Xin sem grandes pretensões. Sabia que tinha vários eventos diferentes da versão coreana, mas se não fosse tão pesado e sofrido como o k-drama, já estaria feliz. Contudo, tenho que dizer que me surpreendi, e foi uma surpresa muito positiva! Isso significa que Scarlet Heart Ryeo caiu uns três ou quatro pontos no meu conceito e terei que alterar a nota no My Drama List.

Primeiramente, deixarei uma ligeira sinopse para os leitores, retirada do My Drama List, traduzida por mim:
Devido a um acidente de carro, Zhang Xiao viajou no tempo para o corpo de uma de suas reencarnações anteriores, uma nobre garota Manchu (da Manchúria, povo que instaurou a Dinastia Qing), Maertai Ruo Xi. Embora saiba que não deve se envolver nas intrigas palacianas com respeito à sucessão ao trono, ela inadvertidamente se torna um peão no meio dessa luta, porque não pôde evitar amar alguém, e outros vieram a amá-la. Baseado no romance chinês Bu Bu Jing Xin, do escritor Tong Hua.  
Antes de mais nada, eu recomendo enfaticamente que vocês, meus amigos, assistam a essa belíssima história. Se viram Scarlet Heart Ryeo e relutam em ver essa versão chinesa, deixem a relutância de lado e mergulhem de cabeça, vocês não vão se arrepender. Se não viram o k-drama, minha dica é que vejam depois de conferirem o c-drama por motivos que explicarei no decorrer do post.

Scarlet Heart foi um drama de sucesso na China no período de sua transmissão e mesmo após ela ainda conquista o público anos após ano. Tamanho sucesso (e a insatisfação com o final da história por parte dos telespectadores, dizem) ocasionou a criação de um roteiro para uma segunda temporada, que foi ao ar em 2014. Essa segunda parte da história não tem nenhuma relação com o romance que inspirou o drama. Segundo diversas críticas que li internet afora e a avaliação no My Drama List, a temporada foi um fracasso. Contudo, li algumas crítica positivas. Estou assistindo (no Viki) para criar minha própria opinião.

Ao assistir Bu Bu Jing Xin, me dei conta de que tudo que eu conhecia de Scarlet Heart, por ter assistido ao k-drama três vezes, era, na realidade, um grande nada. Claro, o k-drama se passa na Coreia (Dinastia Goryeo), enquanto o c-drama se passa na China (Dinastia Qing). Mas não é essa, nem de longe, a única diferença entre as versões.

(Embora o post seja sobre o drama chinês, é inevitável que surjam comparações. Por favor, tentem me compreender.)

O primeiro grande impacto para mim foram os efeitos visuais. Às vezes parecia animação gráfica mal-feita. Vejam esse céu noturno e esse gramado, enquanto o 4° Príncipe e a Ruo Xi cavalgam:

Mas a intensidade e beleza da história era tanta que logo esses efeitos meia-boca começaram a passar despercebidos.

E nem as meia-carecas, nem o idioma estranho, nem as roupas, me causou mais incômodo do que os sapatos das mulheres da nobreza. Fiquei em choque. Não aguentaria andar com um desses nem por dez minutos~
Contudo, aos poucos a gente acostuma. Pelo menos eu me acostumei. Ao fim dos 35 episódios, tudo é quase normal, todas as estranhezas são aceitáveis. Fiquei tão envolvida com tudo, personagens, trilha sonora, roteiro, que não levei tão em conta algumas estranhezas que achei que seriam intragáveis.

Um bom roteiro foi o que faltou no remake coreano, e é a principal razão por eu ter dado o conselho de ver o c-drama primeiro. Vi alguns remakes coreanos de histórias japonesas no decorrer dos anos, como Boys Before Flowers e To The Beautiful You. O último que vi foi Criminal Minds, remake da séria homônima norte-americana feito pela tvN. Li a respeito também de outras adaptações e formei a opinião de que a Coreia devia parar de tentar adaptar trabalhos de outros países, pois por mais que os atores, trilha sonora e tudo o mais arrasem, a falha está no roteiro que acaba sendo mal adaptado, uns mais, outros menos.

É claro, os outros pontos foram muitos bem explorados. A atuação dos atores, com destaque para meu Lee Jun Ki (4° Príncipe), foi impecável, e mesmo a IU (Hae Soo, a Ruo Xi da Coreia), que as pessoas julgavam por má atriz, se superou. Ao menos essa é minha avaliação.

Trilha sonora foi ótima do início ao fim, tanto as canções quanto as instrumentais, assim como foram ótimos os efeitos visuais e todos os demais aspectos. Porém, um roteiro mal-feito traz, em consequência, personagens mal-desenvolvidos. E em todos os meus anos como leitora assídua e dorameira voraz, aprendi que a base para se construir uma história sólida é roteiro+personagens. O resto é um plus. Quando esse plus é bom, claro que traz satisfação, mas ele não é indispensável.

E foi justamente esse o acerto do drama chinês. O close foi totalmente certo. Focaram na dupla inseparável que citei acima e, mesmo que seus atores não fossem tão bonitos como os coreanos e os efeitos não fossem tão bons, Bu Bu Jing Xin arrasou! E tudo nele criou em mim um carinho imenso por esse elenco maravilhoso!!



 
Meu príncipe favorito dos vários (sim, são vários, mas somente seis ganham destaque) foi o 13°. Ele era a alma gêmea da Ruo Xi (não no sentido romântico). Os dois se tornaram melhores amigos assim que beberam juntos pela primeira vez, no começo do drama. Ele também foi o melhor amigo-irmão do 4° Príncipe e do início ao fim esteve a seu lado. Spoiler: ficou dez anos preso e continuou sendo a mesma pessoa generosa, amorosa e companheira. Quando não se apaixonou pela Princesa Min Min da Mongólia, como ela se apaixonou por ele, mesmo assim foi um cavalheiro amoroso e digno ao dispensá-la. Poderia falar muito mais, mas é melhor assistirem e tirar as próprias conclusões sobre ele. Enfim, amo muito esse personagem!! E, por consequência, o ator que o interpretou despertou em mim muito mais carinho que o Nam Joo Hyuk (embora eu seja obrigada a confessar, o chinês perde para o coreano no quesito beleza).



À guisa de considerações finais, trago alguns pontos de destaque. Essa versão original é mais completa, mais "redondinha". A história se desenvolve com mais coerência que a coreana, que acompanhei no período de sua exibição ano passado. Como disse para uma amiga, parece que há mais movimento, as coisas realmente acontecem enquanto o tempo passa (anos, quase duas décadas), as pessoas mudam, tudo ocorre como se de fato existisse vida nelas... ao contrário da versão coreana, que me pareceu estagnada, o tempo passava e as coisas permaneciam inalteradas. Sem falar dos príncipes, em BBJX a maioria tinha uma ou duas esposas e concubinas, filhos, as famílias eram realmente famílias, existiam mulheres de fato, presentes na história e essenciais para seu desenrolar.
Da esquerda para a direita:
Lu Wu, Maertai Ruo Lan, Maertai Ruo Xi, Princesa Min Min, Gorolo Ming Yu e Gorolo Ming Hui
 Não posso me esquecer de falar de nossa protagonista, Ruo Xi. Amei essa garota! Cecília Liu foi espetacular ao encarnar essa menina forte, decidida, um pouco teimosa, cabeça-dura e que lutava por sua independência e liberdade!! Spoiler: mesmo quando estava presa no palácio, como criada, ela soube conquistar seu espaço - e o coração do mais sisudo, introvertido e obstinado dos príncipes, o 4°. Realmente, Ruo Xi >>>>> Hae Soo.

E já que falei dela, pra fechar bem fechado, apresento-lhes o 4° Príncipe YinZhen e futuro Imperador YongZheng. Não superou meu Lee Jun Ki (é impossível para qualquer um, a meu ver), mas o ator Nicky Wu mandou muito bem na interpretação. Foi amoroso, caloroso e cruel na dose certa. Spoiler: tudo que ele fez, por mais mau que parecesse, mesmo de um jeito torto e, por vezes, incompreensível à primeira vista (os atos de vingança e a "matança"), foi por querer amar e proteger a Ruo Xi. Ele sofreu menos que o 4° coreano, que para mim teve um sofrimento gratuito e completamente desnecessário. Também não teve que matar o irmão, não era desprezado por todos e essas coisas.

O ator que me trouxe até aqui não é dos meus príncipes favoritos, mas até que gostei dele. No k-drama eu odiei o 14° :p

Agora terminei de verdade =) A quem leu até aqui, eu agradeço de coração. Deixo aqui minha ost favorita do drama (o vídeo contém spoilers, mas quem não quiser vê-los, basta dar o play e ouvir essa linda canção sem olhar as imagens).

One Persistent Thought

É isso, minha gente. Falei bastante né~ para marcar minha volta ao blog, está de bom tamanho =) espero que tenham gostado do post!

Minha nota: 10
Onde ver: Drama Fever Premium, Viki, Kingdom Fansub



3 comentários:

  1. Ótimo texto Emily!

    O lance dos efeitos visuais se tratando de c-drama é bom não por expectativa mesmo pq eles estão engatinhando neste quesito ainda, em algumas situações soa grotesco mesmo huhuaha Mas o roteiro na maioria das vezes é bem construído, e eu pessoalmente acho os romances avassaladores pra quem curte. Faz tempo que não vejo um c-drama mas vc pelo jeito pegou gosto e espero ver mais c-dramas que vc assistir por aqui :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pode deixar Ana, verei muitos cdramas agora~ e voltarei aqui para falar deles, certeza! 😉

      Excluir
  2. Aaaaaaaaaa é muito fofinhaaaaaa!!!
    Baixei a original chinesa por engano, queria assistir a coreana, porém a chinesa ganhou meu coração e agora estou com depressão pós-drama :(. O que me consola é saber que os atores que fazem o casal protagonista se casaram :)

    ResponderExcluir